quinta-feira, 3 de setembro de 2009

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Ensinar o bebé a dormir sozinho


Aqui está um video que ensina os pais como devem proceder para que o bebé adormeça sozinho.

Vou testar e ver se resulta...

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Qual será a cor da pele do meu bebé?


A cor da pele humana é determinada por dois pares de genes alelos localizados em cromossomas não homólogos, um par aleatoriamente indicado por Aa e outro Bb.
Proporcionalmente, os genes dominantes A e B codificam maior produção de melanina na pele em oposição aos respectivos alelos recessivos a e b. A interação entre os quatro tipos proporciona efeitos variados, recebendo os dominantes à denominação de genes efetivos ou aditivos, enquanto os recessivos contribuem apenas para formar uma quantidade mínima de pigmentos melanínicos:
-Quanto maior a proporção de genes dominantes e menor de recessivos na pele, maior a quantidade de pigmentação, sendo a epiderme mais escura;
- Quanto menor a proporção de genes dominantes e maior de recessivos na pele, menor a quantidade de pigmentos, e a epiderme mais clara.

Genótipos /Fenótipos (cor da pele)
AA BB/Negro
AA Bb ou Aa BB/Mulato escuro
AA bb, aa BB ou Aa Bb/Mulato médio
Aa bb ou aa Bb/Mulato claro
aa bb/Branco

Se um individuo de raça caucasiana e outro de raça negra se cruzarem, os seus descendentes (primeira geração) são de uma cor intermédia dos progenitores (mulato). Já nos cruzamentos seguintes (segunda geração e outras), qualquer cor de pele pode aparecer, poderá existir um descêndente de cor negra, mulato ou branco.
Observação: O albinismo, ausência total de melanina, é provocado pela ação de um outro gene, independente dos mencionados.

domingo, 16 de agosto de 2009

7 WAYS BREASTFED BABIES BECOME HEALTHY ADULTS


7 WAYS BREASTFED BABIES BECOME HEALTHY ADULTS


The health benefits of breastfeeding extend far past weaning. As researchers look at the various factors associated with different diseases, they often find that children and adults who were breastfed as infants are less likely to experience problems with chronic diseases. In some cases, even minimal amounts of breastfeeding may provide some protection against disease in later life, but usually the longer a baby is breastfed the greater the protective effect. Here are some of the ways that breastfeeding builds a lifetime of good health:


1. Breastfeeding prevents obesity. Even in infancy, breastfed babies as a group are leaner than their formula-fed peers. Studies have shown that children who are breastfed are less likely to be obese during adolescence, and that longer periods of breastfeeding greatly reduce the risk of being overweight in adulthood. Overweight children are more likely to become overweight adults. Since breastfed babies themselves control how much they eat (aided by the changes in fat levels during a feeding session), children who are breastfed learn to trust their bodies' signals about how much they need to eat and when. This builds healthy eating habits right from the start. Although parents might urge a formula-fed baby to finish up the last ounce or two of milk in the bottle, you can't do this to a breastfed baby. When she's done, she's done!


2. Better teeth. Breastfed babies have better jaw alignment and are less likely to need orthodontic work as they get older. A study of 10,000 children found that those who were breastfed for a year or more were 40 percent less likely to require orthodontic treatment. The sucking action used to breastfeed involves complex motions of the facial muscles and tongue. This improves the development of facial muscles and the shape of the palate. The better jaw alignment associated with breastfeeding can even mean less snoring and a lowered risk for a condition known as obstructive sleep apnea--the blockage of air flow during sleep, which can disturb sleep patterns and lead to other health problems.


3. Lowered risk of heart disease. All the evidence isn't in yet, but some researchers believe that breastfeeding during infancy may lower the risk of heart attacks and strokes in later life. This is due in part to the higher levels of cholesterol in human milk. Some heart researchers theorize that because of the cholesterol content of human milk, a breastfed baby's liver learns to metabolize cholesterol better than formula-fed infants. This leads to lower blood cholesterol levels as adults and thus a lower risk of heart disease. Though limited in number, some studies have shown that adults who were formula-fed as infants tend to have higher blood cholesterol and are more likely to have arterosclerotic plaques than those who were breastfed.


4. Lowered risk of juvenile diabetes. Babies who are breastfed are less likely to develop type 1 diabetes mellitus in childhood. Researchers have attributed this lowered risk of diabetes to the delayed introduction of cow milk in breastfed babies. In addition, researchers have shown a lower insulin release in breastfed infants compared to infants fed formula. This preventive effect is particularly important if you have a family history of diabetes.


5. Lowered risk of multiple sclerosis. Multiple sclerosis, a degenerative muscle disease that strikes adults, may be caused in part by myelin breakdown. However, multiple sclerosis is less common in countries where breastfeeding rates are high. Human milk's contribution to the myelin formation may help to prevent multiple sclerosis in later life.


6. Lowered risk of asthma and allergy. Studies have shown that breastfeeding lowers the chances of a child developing allergies and asthma symptoms. Breastmilk's immune components protect babies from allergens in the first months of life. Breastfeeding also delays the introduction of potentially allergenic foods, such as cow milk and soy protein, into the diet until the baby is older and the immune system is more mature.


7. Other diseases. Research suggests that breastfeeding may also play a role in preventing digestive diseases, such as ulcerative colitis and Crohn's disease, as well as childhood cancers. This makes sense: nourish an infant's body with the unique food designed for it by nature and that body will function in a healthier way, perhaps for the child's entire life.
Breastmilk's influence on health is probably more far-reaching than researchers have even dared to imagine, but studies of factors that affect the development of disease in adults seldom ask their research subjects how they were fed as infants (and many adults would have trouble giving accurate answers to these kinds of questions). New studies of what breastmilk contains suggest that this living biological fluid carries substances that are critical to the optimal development of many systems in the body. This early development may very well affect the progress of many diseases throughout life.

Sentir pela primeira vez a minha bebé nos braços...


...foi ficar por uns instantes sem reacção e, logo, nascer de novo com ela. Foi sentir medo, um medo como nunca tinha sentido antes, por ter a responsabilidade de cuidar e educar um novo ser. Foi ao mesmo tempo alegria, uma felicidade extrema e uma vontade de chorar incontrolável. Cada vez que olho para ela sinto-me frágil pois dela depende toda a minha alegria de viver, ao mesmo tempo, sinto-me a mulher e a mãe mais forte e corajosa do mundo, pois sinto-me capaz de tudo e de qualquer coisa por ela. Foi a maior e mais significativa experiência da minha vida.

http://www.demaeparamae.pt/

A vingança das mamãs


















Requires Flash Player





Estimulação para bebés de 6 a 9 meses

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Vamos dar uma volta


Isto de ser mãe, às vezes também cansa. Não me recordo há quanto tempo não tenho 2 ou 3 horas seguidinhas só para mim. Ao mesmo tempo que escrevo isto penso que não posso nem devo ser assim egoísta. Ser mãe não é fácil!


A piolha esteve a dormir, mas anda sempre tão enérgica... pu-la no saltitão um bocado, e arranjei uns minutinhos para escrever, mas daqui a pouco já se farta e tenho de arranjar outro entertenimento. Antes, tenho de arranjar maneira de lhe enfiar umas papas pela goela abaixo... se a deixar chafurdar nas papas, talvez coma, mas queria-a limpinha para irmos dar uma volta.


Mas ser mãe não dá direito a fim de semana, pois não?

Calendário da gravidez

Visitem este calendário da gravidez, e fiquem a conhecer a vossa DPP (data provável de parto), e a formação do vosso bebé dia a dia. Vale a pena, e podem imprimir o calendário mensalmente....

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Reflexos dos recém-nascidos

Os recém nascidos nascem com uma série de competências, são os chamados reflexos. Os reflexos de um recém-nascido permitem que ele reaja ao ambiente em que vive e às pessoas que vê. Esses reflexos são instintivos e servem para protege-lo, e todos os bebês nascem com os mesmos reflexos.
Se bater palmas perto do rosto do seu recém-nascido, ele piscará os olhos, aperte a planta do pé e ele dobrará todos os minúsculos dedos, se apoiar o peito dele na água, verá um peixinho movimentando braços e pernas como se estivesse nadando.

No dia do parto, o cérebro do recém-nascido pesa entre 300 e 400 gramas, quatro vezes menos que o de um adulto. Para que se desenvolva completamente, é preciso que todas as células nervosas estejam cobertas por uma substância branca gordurosa chamada mielina. Essa camada é a responsável pela transmissão de impulsos nervosos do cérebro para o corpo. "Este processo de cobertura, chamado de mielinização, começa no segundo trimestre de gestação, atinge o seu período mais intenso quando a criança tem 8 meses e continua até o segundo ano de vida", afirma o neuropediatra Luiz Celso Amaral.

Com o cérebro em formação, as reações são instintivas. E esses reflexos são muito importantes para o crescimento da criança. "Indicam que o cérebro está se desenvolvendo e trabalhando de forma correcta. E também têm a função de ajudar a criança a perceber as fronteiras entre seu corpo e o mundo", diz a neuropediatra Saada Ellovitch.

São seis os reflexos mais importantes e há mais de 15 exercícios feitos na maternidade para testá-los. Eles desaparecem quando a maior parte das células é recoberta pela mielina, por volta do sexto ou sétimo mês, e a conexão entre cérebro e corpo melhora. A partir do terceiro mês, já é capaz de fazer alguns movimentos voluntários, como sustentar o pescoço. Isso porque o amadurecimento da medula se dá no sentido da cabeça para os pés.
Os movimentos reflexos começam ainda na gravidez, entre a 28a e a 35a semana, como a sucção. "Ela e o choro são reações vitais para a sobrevivência e a proteção do bebé. O movimento de mamar aparece ainda no útero", afirma o fisioterapeuta Marcus Vinicius Marques de Moraes. Imediatamente após o parto se a boca do recém-nascido for colocada em contato com qualquer objecto, ele tentará abocanhá-lo. Alguns reflexos ficam por mais tempo, como o de Moro, em que a criança, sentindo-se desequilibrada ou assustada por um ruído forte, joga a cabeça para trás e estica braços e pernas. Isto até os 5 meses.

Mais do que uma exibição de habilidades para os pais, os reflexos são uma fonte de pesquisa para os pediatras. Ao menos seis desses movimentos – marcha, sucção, pontos cardeais (toca-se os cantos da boca ou lábios inferior e superior e a criança vira a cabeça em direção ao toque como se quisesse mamar), preensão das mãos, do pés e reflexo de Moro — devem ser reavaliados nas primeiras consultas pediátricas.
Os exames servem para evitar que a criança tenha pouco ou nenhum atraso no seu desenvolvimento. É uma acção preventiva", diz a neonatologista Marina de Moraes Barros. "Quanto mais reflexos observados, melhor. Porém, com esses seis já é possível saber se a criança é saudável. O importante é o resultado do conjunto, e não de um reflexo isolado", ressalta Marina.
Tão importante quanto ter os reflexos, é perdê-los. O crescimento da circunferência da cabeça e o desaparecimento dos reflexos indicam que o bebê está cumprindo as etapas: vai primeiro sentar, depois gatinhar – mesmo que seja um pouquinho, depois ficará em pé, apoiado em algo, para depois andar. E falará até aos 2 anos. A falta destas respostas indicam aos médicos uma possível lesão neurológica que, dependendo do tipo, pode ou não ter comprometimento no futuro, como um desenvolvimento motor e neurológico mais lento. É possível amenizar o problema com fisioterapia. Infecções na gravidez e hipertensão grave, por exemplo, podem prejudicar a formação da mielina ainda na gestação.

O fisioterapeuta Marcus Vinicius Marques de Moraes avaliou os reflexos de bebés com idades entre 14 dias e quatro meses. Queria descobrir se existe uma relação entre o desenvolvimento motor, alimentação, problemas no parto e a amamentação. Concluiu que: "Bebés gordos movimentam-se menos e, nos de baixíssimo peso, o cérebro não se desenvolve como deveria. Demoram a passar dos movimentos reflexos para os voluntários".
Bebés prematuros são apontados como os de maior risco para sequelas neurológicas porque nascem antes de o organismo estar completo. "A finalização do amadurecimento neurológico desses bebés ocorre fora do útero, o que faz seu desenvolvimento ser mais lento. Eles nem fazem os mesmos testes de reflexos que as crianças nascidas depois de 38 semanas", diz a neuropediatra Saada.
Gordos, magrinhos, prematuros ou não, os recém-nascidos querem entender o mundo à sua volta e, para isso, precisam de estímulos. Quanto mais os pais os tocarem, melhor.
Eles se sentem amparados e seguros quando os pais entendem a sua linguagem: um resmungo para avisar que a fralda está suja ou um choro para indicar que quer colinho.

Reflexo de Moro – O bebé joga a cabeça para trás, estica as pernas, abre os braços e os fecha depois. Surge quando o recém-nascido se sente desequilibrado ou assustado. Desaparece por volta do segundo ou terceiro mês de idade.

Marcha reflexa – Colocado em pé, com apoio nas axilas, ele ergue uma perna dando a impressão de estar andando. É o primeiro a desaparecer. Desaparece até o fim do primeiro mês.
Sucção e busca pelo seio – O bebé abre a boca e suga o que aparece à sua frente. Ao tocar qualquer região em torno da boca, ele vira o rosto para o lado estimulado. A busca pelo seio desaparece por volta do segundo mês, quando o reflexo da sucção passa a ser voluntário.

Preensão palmar e plantar (Babinski)– pode ser pesquisado nas mãos e nos pés. O recém-nascido agarra o dedo da mãe com força, se ela colocar um dedo na sua mão. Costuma desaparecer por volta do terceiro mês.
No pé, se pressionar levemente a sola do pé do bebé, os dedinhos dele se dobrarão para baixo. Se acariciar a lateral da sola faz com que os dedos se abram e o dedo grande se estenda para cima. Este reflexo é visivel até o sétimo ou oitavo mês.

Tônico-cervical – Com o bebé deitado, o médico gira a cabeça do bebé para o lado, a criança tende a estender este braço e dobrar o outro. É chamado de posição de esgrimista. Costuma desaparecer no terceiro mês.

Gatinhar – De bruços, o bebé estica as pernas, como se tentasse rastejar, quando alguém lhe dá apoio nos pés. Desaparece por volta do quinto mês.

sábado, 8 de agosto de 2009

Perder peso acumulado na gravidez

As mães que dormem menos de cinco horas têm mais dificuldade de perder os quilos acumulados durante a gravidez.

Sono e horas de descanso são fundamentais para as mamãs voltarem ao peso que tinham antes da gravidez, concluiram investigadores americanos. As mamãs que dormem cinco ou menos horas por dia durante os seis primeiros meses após o parto têm três vezes mais dificuldade em perder os quilos extras acumulados na gravidez. "A privação do sono pode causar alterações nos níveis de hormonas envolvidos na regulação do apetite", explica Sirimon Reutrakul, médica da Universidade de Chicago Medical Center.
O segredo, então, é dormir mais após o parto? Ter mais horas de sono é importante, mas praticar actividades físicas e ter uma boa dieta são fundamentais sempre que o objetivo for perder peso.
Para muitas mulheres, a retenção de peso pós-parto é um problema grave, porque pode levar, a longo prazo, a um ganho de peso real. Estudos mostram que até 20% das mulheres mantêm pelo menos 11 quilos durante 6 a 18 meses após o parto.
Toca a dormir muito mamãs! Eu durmo bastante porque a minha piolhinha assim permite, mas em relação ao exercicio....ainda não pudemos retomar, em Setembro quando a piolhinha for para a escolinha. Aí a mamã fica em forma.

Mulheres cada vez mais bonitas


Ouvi ou li recentemente que as mulheres estão cada vez mais bonitas e atraentes, e que os homens, por sua vez, continuam com a aparência dos seus ancestrais dos tempos das cavernas. Decidi pesquisar porque achei curioso. Descobri que se trata de um estudo, levado a cabo por investigadores finlandeses, ique justificam o resultado da pesquisa com a pressão evolutiva.

Markus Jokela, um pesquisador da Universidade de Helsinquia, Finlândia, afirma que as mulheres bonitas - por razões óbvias - são mais procuradas pelos homens e têm até 16% mais filhos do que as demais. Para chegar a essa constatação, ele usou dados recolhidos no continente americano, em que 1.244 mulheres e 997 homens foram seguidos por um periodo de quatro décadas. Jokela usou também, como referência, um estudo anterior, realizado por Satoshi Kanazawa, um psicólogo evolucionista da London School of Economics, que concluiu que pais bonitos têm mais probabilidade de conceber crianças do sexo feminino.

Segundo os estudos, as mulheres bonitas têm mais filhos e uma maior proporção destas crianças são do sexo feminino. Essas filhas, uma vez adultas, também tendem a ser tão ou mais atraentes que as respectivas mães, e repetir o padrão de reprodução.

Será que foi por isto que tivemos uma menina? lolol...

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

10 sinais clássicos de gravidez


Grávida outra vez?
Está na dúvida se deve fazer um teste de farmácia ou de laboratório para confirmar a gravidez? Na presença de alguns dos sintomas abaixo, não perca tempo:

- Menstruação atrasada
- Enjôo matinal
- Seios inchados e doloridos
- Aumento da vontade de fazer xixi
- Sonolência em excesso
- Alterações de humor
- Prisão de ventre
- Olfacto mais aguçado
- Vômitos
- Desejos estranhos

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Perder peso depois do parto


Uma das maiores preocupações das mamãs é voltar a ter o corpo que tinham antes de engravidarem. Também tive esta preocupação, aliás, ainda tenho... Especialistas dizem que não é preciso pressa para voltar a estar em forma depois do bebé nascer. O melhor é aproveitar esta fase nova com o bebé e entender que o processo da perda de peso pode levar até seis meses. E não entrar em ansiedades, que podem levar ao aumento de peso ao invés da perda.

Acabou de ter um bebé. É altura de conhecer este novo membro da família, de adaptar-se à mudança da rotina, à amamentação. Agora não é mesmo o melhor momento para uma preocupação excessiva com a perda de peso. até porque a perda excessiva de peso pode prejudicar a amamentação.

O Instituto Alemão de Qualidade e Eficiência em Saúde trouxe novamente o debate sobre a pressão que as mulheres têm para com o corpo no pós-parto, principalmente quando se espelham nas dietas milagrosas e corpos perfeitos que as celebridades exibem pouco tempo depois de terem se tornado mães.

Por isso, não se preocupe tanto com os quilinhos extras. A média para perder o peso adquirido na gestação pode ser de até seis meses, e se estender um pouco mais para aquelas que já estavam acima do peso quando engravidaram ou engordaram além do necessário durante os nove meses.

Veja o que pode fazer para que a perda de peso aconteceça de forma saudável e tranquila:

- Medidas radicais jamais. Elas podem prejudicar a amamentação e também a sua disposição para as novas tarefas com o recém-nascido;

- Amamentação como grande aliada. Amamentar ajuda-a a perder peso mais rapidamente e fortalece o vínculo entre mãe e filho (sem contar que é uma delícia!);

- Atividade física e bem-estar. Praticar exercícios assim que seu obstetra permitir também traz benefícios para a sua saúde em geral. Mas isso não quer dizer que você possa ou deva fazer uma actividade “pesada”. O Instituto alemão reuniu algumas pesquisas sobre as melhores formas de perder peso após o parto. E os resultados mostraram que exercícios intensos não levam à perda dos quilos extras.

- Dieta equilibrada e saudável sempre. Ela ajuda as mães a reduzir o peso após o parto sem afetar a amamentação. Aposte nisso!
Eu já recuperei o meu peso, sem esforço e sem grandes cuidados na alimntação. Penso que a amamentação foi a minha grande aliada.

Quem quer ter gémeos?



O número de gémeos não-identicos aumentou muito nas últimas décadas. O principal motivo é a reprodução medicamente assistida. Isso porque, para aumentar a probabilidade de gravidez, os especialistas costumam implantar mais do que um embrião no útero.

Mas existem também outras evidências. Segundo uma pesquisa publicada na revista científica "Journal of Reproductive Medicine" em 2006, uma dieta rica em produtos lácteos também aumenta a probabilidade de uma gravidez gemelar.

Um outro factor será a idade materna, de acordo com estudo da Universidade Vrije, na Holanda, o nascimento de gémeos é mais comum entre mães acima dos 35 anos. Devido a mudanças hormonais, estas serão mais suscetíveis de produzir vários óvulos num só ciclo.

A incidência de gémeos é também maior entre as afrodescendentes.
Da proxima vez que estiver a tentar engravidar vou fazer uma dieta à base de lacticíneos...quem sabe ganho dois!!!

sábado, 25 de julho de 2009

Bebés julgam adultos

Desde os seis meses de idade que conseguem perceber quem é ou não amigo.

Cientistas dos Estados Unidos descobriram que os bebés a partir de seis meses de idade demonstram ter inteligência social, conseguindo julgar pessoas ao analisarem as suas intenções e sendo capazes de perceber quem é um potencial amigo ou inimigo.

Tal como todos os seres sociais, os humanos conseguem fazer julgamentos rápidos acerca de outros baseando-se no comportamento destas pessoas.

Porém, os fundamentos deste comportamento e quando se desenvolvem ainda não são bem compreendidos. Nesse sentido, uma equipa da Universidade de Yale realizou um estudo com 12 bebés de seis meses e 16 bebés de dez meses, fazendo com que assistissem a uma animação com três personagens diferentes.

Na animação, uma das personagens tenta subir o que parece ser uma colina. Um segundo ajuda esse personagem, empurrando-o para cima da colina, e um terceiro atrapalha-o, empurrando-o para fora.

Depois de os bebés assistirem à animação várias vezes, os cientistas mostraram-lhes dois bonecos de madeira, um parecido com o personagem que ajuda o outro a subir e outro parecido com o que atrapalha. O resultado foi que todos os bebés de seis meses e 14 dos bebés de dez meses escolheram o boneco do personagem “bonzinho”.

«As nossas descobertas indicam que os humanos realizam avaliações sociais num estágio muito anterior de desenvolvimento do que se pensava, e sustenta a tese de que a capacidade de avaliar indivíduos com base nas suas interacções sociais é universal e não depende da aprendizagem», explicam os cientistas, no artigo publicado na revista “Nature”, divulgado pela BBC.

Entretanto, formam realizadas outras experiências para descartar outras explicações, como uma possível preferência dos bebés por acções de empurrar algo para cima ou para baixo ou pela aparência de um dos personagens.

«Nós não podemos dizer se é algo inato, mas podemos dizer que é algo pré-linguístico», explica a cientista Kiley Hamlin, líder da pesquisa. «Não achamos que estes bebés têm qualquer noção de moral, mas parece ser uma parte essencial da moralidade sentir uma empatia por aqueles que fazem coisas boas e o contrário por aqueles que fazem coisas más. Parece ser uma parte importante de um sistema racional e moral que virá depois», acrescenta.

O facto de crianças tão jovens mostrarem sinais de inteligência social não surpreendeu Hamlin. Segundo a cientista, os pais deveriam ter em mente que os bebés são capazes de perceber muita coisa sozinhos.

«Ainda com pouca idade, eles são eficientes criaturas sociais. Eles percebem quem são as pessoas das quais é bom ficar perto». Pesquisas anteriores já haviam mostrado que os bebés, nos primeiros seis meses de vida, mostram uma predilecção por outros bebés com base na aparência do rosto dos seus colegas.

Fonte

É possivel escolher a cor dos olhos do bebé?


Uma clínica dos Estados Unidos iniciou uma polêmica ao oferecer a casais que querem ter filhos a possibilidade de escolher características, como cor do cabelo ou dos olhos do bebé.

A clínica Fertility Institutes, de Los Angeles, dirigida por um dos pioneiros dos tratamentos de fertilização artificial na década de 70, Jeff Steinberg, espera para 2010 o nascimento do primeiro bebê com características escolhidas pelos pais.

A clínica de Steinberg também oferece a escolha do sexo dos bebês.

Especialistas britânicos criticam a clínica americana e afirmam que o serviço vai desviar a atenção das pessoas de como a mesma tecnologia pode proteger crianças de doenças herdadas dos pais.

A ciência que envolve as escolhas nos bebês é baseada em uma técnica de laboratório chamada de pré-implantação de diagnóstico genético (PGD, na sigla em inglês).

A técnica envolve a retirada de uma célula de um embrião muito novo, antes que ele seja implantado no ventre da mãe. Os médicos então selecionam um embrião que seja livre de genes indesejáveis – ou, neste caso, um embrião com os traços físicos desejados como cabelo loiro e olhos azuis – para continuar com a gravidez e descartar outros embriões.

Seleção cosmética

Um casal pode querer um bebé com a pele mais escura para ajudar na prevenção de cancro de pele, se já tiver um filho que tenha desenvolvido o melanoma. Mas outros pais podem simplesmente querer um menino com cabelos loiros.

A clínica de Steinberg oferece a seleção cosmética para pacientes que já passaram por exames genéticos para problemas gerados por cromossomos anormais em seus embriões. "Nem todos os pacientes estão qualificados para esses exames e não damos garantias de uma ‘previsão perfeita’ de coisas como cor do cabelo ou dos olhos", afirma o site da cínica.
Steinberg, por sua vez, diz que a capacidade de oferecer este tipo de serviço para casais que querem ter filhos já existe há anos, mas foi ignorada pela comunidade médica. "É hora de todos tirarem a cabeça da areia", afirmou o médico. "Eu não diria que é um caminho perigoso. É um caminho desconhecido."

Dilema moral

Gillian Lockwood, especialista britânica em fertilidade e integrante do comité ético do Royal College of Obstetricians and Gynaecologists, questiona se é moralmente correto usar a ciência desta forma. "Se chegarmos ao ponto de decidirmos qual gene ou combinação de genes são responsáveis pelos olhos azuis ou cabelo loiro, o que iremos fazer com todos aqueles outros embriões que são ruivos ou têm olhos verdes?"
A pesquisadora alerta ainda para a possibilidade de "transformar bebês em produtos que as pessoas escolhem em uma prateleira".
"Este é inevitavelmente um caminho escorregadio do processo de fertilização, que cria muito mais embriões do que os que podem ser implantados", diz Josephine Quintavalle, fundadora da organização Comment on Reproductive Ethics.
"Escolhas sempre serão necessárias", acrescenta. "Você escolhe ter oito bebês ou aqueles que têm o nariz mais bonito?"

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Ainda a proposito de meninos e meninas...

Quando estamos grávidas não descansamos enquanto não sabemos o género do bebé...e mesmo depois de nos dizerem ficamos desconfiadas. Será mesmo?!




Enquanto eu estive grávida, e já depois da médica nos informar que seria uma menina, por vezes as pessoas chegadas diziam que a minha barriga era de menino, que a minha pele era de menino, etc... Estava mesmo ver que ainda nasceria um menino, mas não...sempre veio a minha Francisca.
Todas as mamãs fartam-se de pesquisar na internet diferentes métodos/crendices para descobrirem o género dos seus filhotes. Resolvia então fazer um apanhado de todos os que conhecia ou encontrei:

TABELA CHINESA

Reza a história que esta tabela se encontra em circulação há mais de cem anos. Segundo a lenda, esta foi enterrada na tumba de uma família real chinesa, há mais de 700 anos, e de acordo com o Instituto de Ciência de Pequim, se for bem usada, tem uma probabilidade de acerto em 99% dos casos.
A tabela é usada acordo com sua idade lunar. Se nasceu em qualquer mês, menos janeiro e fevereiro, a sua idade lunar será a sua a sua idade na época da concepção mais 1 (Idade lunar = sua idade na época da concepção + 1).

No meu caso, ela resulta, pois eu tinha 28 anos lunares na altura da concepção, que foi Abril, então resulta uma MENINA :-)

TESTE DA ALIANÇA


Amare um fio de cabelo comprido numa aliança de casamento e segure como se fosse um pêndulo. Coloque-a em cima da sua barriga, em alguns instantes ela vai começar a se movimentar. Se for em circulos, é menina. Se for de um lado para o outro (ou de trás para a frente), é menino.
Outra versão deste teste, para quem não está grávida, é fazê-lo sob a mão esquerda, mas usando uma agulha de costura e uma linha. Ergue-se a agulha e linha 3 vezes e depois coloca-se sob a mão esquerda e a agulha começa a movimentar-se. Esta versão dá o número total de filhos que se irá ter...

TESTE DOS BATIMENTOS CARDIACOS

Se os batimentos cardiacos forem superiores a 150 bpm, será menina, se forem inferiores, será menino.
Nas aulas de preparação para o parto, a enfermeira estava sempre a perguntar se eu ia ter um menino...não, é uma francisca!!!

TESTE DO GARFO E DA COLHER

Este teste consiste em pedir a aguém que esconda um garfo e uma colher (separados, claro!!) debaixo de uma almofada, e depois chamar a grávida para se sentar. Se ela sentar aonde está a colher, o bebé será uma menina, se ela sentar aonde está o garfo, o bebé será um menino.

FORMA DA BARRIGA

Diz quem sabe destas coisas, que se a barriga for arredondada será menina, e se for mais em bico será menino.

TESTE DO DOCE OU SALGADO

Se a futura mamã tiver desejos de comida doce, será menina, se os desejos forem de comida salgada, será menino.
Eu tinha das duas...mas para ser sincera no final da gravidez não me fartava de comer chocolate, beber chocolate, respirar chocolate...

TESTE DO PAR OU IMPAR

Para este teste tem de se saber a idade no mês da concepção e o número que representa o mês da concepção. Se você engravidou em janeiro, some o número 01. Se for engravidar em novembro, considere 11. Some os dois números anteriores com o número 9, que é invariável. No final, se a soma desses três números for par, vai dar menina. Se a soma for ímpar, vai dar menino.
Há uma excepção: Se você mestruou e engravidou no mesmo mês, o resultado é inverso, ou seja, se der par será menino e se der ímpar, vai ser menina.

TESTE DO ACNE

Se a sua pele melhorou com a gravidez, será um menino, se piorou, será menina.

TESTE DO QUEIXO
Aperte o seu queixo, do lado direito para o lado esquerdo, se fizer uma curvinha é menina , caso contrário é porque é menino.

TESTE DAS CRIANÇAS

Dizem sempre que uma criança do sexo oposto ao do bebê que vai nascer tende a ficar mais próximo da mulher grávida!

Boa diversão!!!
Ps. Se alguém souber de mais algum teste, por favor deixe-o na caixa de comentários, que eu acrescento...

Menino ou Menina


É possível escolher o sexo do bebê?


Com os frequentes avanços da medicina reprodutiva, hoje é possível escolher o sexo do bebê em laboratório e realizar uma fertilização in Vitro (FIV), implantando os embriões do sexo escolhido. Para além de gerar polêmicas em todo o mundo, o procedimento tem um custo elevado, não sendo acessível à maioria dos casais.


Porém, existem algumas dicas a serem seguidas que podem gerar até 80% de sucesso na escolha do sexo do bebê. É importante, que os casais saibam que o método não é infalível.


Antes, é necessário compreender o comportamento dos espermatozóides: os espermatozóides que carregam o cromossoma Y são os masculinos, possuem a cabeça menor, são mais rápidos, porém, menos resistentes. Os espermatozóides com o cromossoma X são os femininos, possuem a cabeça maior, são mais lentos e mais resistentes que os masculinos.


A primeira coisa a fazer é determinar o dia exato da ovulação.


Para ter uma menina - uma vez determinado o dia fértil, deve-se ter relações sexuais até dois dias antes da ovulação e não ter relações, até três dias após a mesma. A mulher deve ter o orgasmo depois do homem, caso contrário, as contrações e o muco auxiliam na locomoção dos espermatozóides, favorecendo os masculinos que são mais rápidos.

A mulher deve comer mais durante o periódo fértil, incluindo vinagre e pimenta, para aumentar a acidez, pois os espermatozóides femininos suportam melhor a acidez, que os masculinos.

Duas horas antes da relação sexual, a mulher deve fazer um duche vaginal com água e vinagre branco, para ajudar a aumentar a acidez local.


Para ter menino - o casal deve manter relações sexuais no dia exato da ovulação. O orgasmo deve ser simultâneo (se possível) ou a mulher deve atinguir o orgasmo um pouco antes do homem, fazendo com que as contrações e o muco libertado auxiliem os espermatozóides na sua locomoção.

A mulher deve comer pouco e evitar alimentos ácidos e apimentados, para não aumentar a acidez da vagina. Duas horas antes da relação sexual, a mulher deve fazer um duche vaginal com água e bicarbonato de sódio, deixando-a mais alcalina, facilitando a locomoção dos espermatozóides com cromossomas Y.


Boa sorte!

Fonte: Universo do bebé

terça-feira, 21 de julho de 2009

Passatempo de mãe para mãe

Ser mãe é... AMOR
Sei que estou inebriada pelas "hormonas da maternidade" e, portanto, não posso ser isenta, mas não consigo pensar noutra imagem que melhor defina a palavra "AMOR".

Ser mãe, surpreendentemente, é colocar-se em segundo lugar, sem dar por isso! É ter sempre alguém no pensamento...é ter uma preocupação, e uma alegria constante. É sorrir só de olhar, é estar constantemente apaixonada. É cuidar, é velar, é proteger. Um dia será deixar voar...

Como será o meu bebé?

Deparei-me algures na internet com uma página muito engraçada, e mesmo a francisca já tendo quase 7 meses, não resisti a fazer o jogo.
Já vi a foto do meu resultado, não sei se é parecida ou não à Francisca...logo à noite pergunto ao papá, mas que é engraçado é, e mais fantástico é compreender como a genética funciona. Por exemplo, o lóbulo da minha orelha é completamente colado, mas o do papá não é, quem consegue adivinhar como é o da xiquinha?
É igual à do papá, porque ter o lóbulo da orelha um pouco separado da pele adjacente é uma caracteristica dominante, ou seja, se um dos papás tiver esta caracteristica o bebé também terá!

segunda-feira, 13 de julho de 2009

A tv prejudica o desenvolvimento cerebral dos bebés


É o que descreve o estudo coordenado pelo Professor Dimitri Christakis, do Instituto de Pesquisa da Infância de Seattle e da Universidade de Washington.
Ao escrever para o periódico científico Acta Paediatrica, afirmou que, antes dos dois anos, nenhuma criança deveria assistir televisão ou sequer um DVD. Porém, nove a cada dez crianças nessa idade praticam essa atividade. E algumas chegam à absurda marca de 40% do seu tempo gasto em frente à babá eletrônica.


A lista de malefícios da tv é extensa. Um estudo de 2008, por exemplo, afirma que crianças de menos de um ano que assistem televisão, têm seis vezes mais chance de ter um problema de atraso no desenvolvimento da linguagem. Outro diz que crianças entre 7 e 16 meses que assistem televisão conhecerão menos palavras que as outras que não o fazem.
Acreditamos que uma das razões para que isso ocorra é a exposição das crianças a luzes brilhantes e mudanças de cena, edição rápida e cortes auditivos que podem excessivamente estimulantes aos cérebros em desenvolvimento”, afirmou o Prof. Christakis.
O cérebro de um bebê é muito sensível antes dos 2 anos de idade. Ele ainda está desenvolvendo conexões neurais e crescendo em tamanho. Em razão dessa sensibilidade, é importante que os bebês tenham bastante estímulo interativo para aprender e se desenvolver. Os pesquisadores defendem que os vídeos não proporcionam esse estímulo.

A televisão também pode explicar atrasos cognitivos e de atenção, já que o desenvolvimento da linguagem é um componente crítico do desenvolvimento do cérebro na infância, isto para não falar dos problemas de obesidade infantil, também associados ao excesso de tempo que as crianças passam imóveis em frente ao écran.
Convém referir que o computador equivale ao écran de televisão e tem os mesmos efeitos maléficos no desenvolvimento da criança.
A American Academy of Pediatrics (Academia Americana de Pediatria) afirma que crianças com menos de 2 anos não devem assistir à televisão e que crianças a partir dessa idade não devem assistir a mais do que duas horas de televisão por dia.

terça-feira, 2 de junho de 2009

Miudos de sucesso!!

video

Sonos e Sonhos

Haverá imagem mais bonita que esta?

Sei que estou enebriada com as "hormonas da maternidade", e portanto não posso ser isenta, mas, não consigo pensar noutra imagem que melhor defina a palavra "AMOR".

Ser mãe, surpreendentemente, é colocar-se em segundo lugar, sem dar por isso! É ter sempre alguém no pensamento...é ter uma preocupação, e uma alegria constante. É sorrir só de olhar, é estar constantemente apaixonada, é cuidar, é velar, é proteger. Um dia será deixar voar ...

domingo, 18 de janeiro de 2009

Related Posts with Thumbnails